A vida passa pelo Soho

O Soho é uma área do centro de Londres que nasceu com vocação para a vida noturna e o entretenimento. No século XX, era famoso pelos sex shops e por bares gays, além de ser o endereço de várias empresas de cinema e mídia. Desde os anos 1980, no entanto, a área vem passando por um processo de mudança e hoje é um local multicultural, que abriga diversos restaurantes bacanas, bares, clubs noturnos, teatros e comércio de toda a espécie. As sex shops que restaram convivem harmoniosamente com os vizinhos, fazendo com que o Soho seja dos locais mais cheios de surpresas de Londres.

O Rafael Maciel fez um vídeo muito legal, mostrando para você diversos aspectos deste bairro. Como engloba uma área relativamente pequena, é tranquilo passear pelas ruas, parando aqui e ali em um pub ou café.

Locais mostrados no vídeo:

Carnaby Street – centro da moda e da música nos anos 1960

La Porchetta – restaurante italiano
20 Old Compton Street
W1D 4TW

Ronnie Scott’s Jazz Club
47 Frith Street
W1D 4HT

O passeio Let’s Rock!, tour por locais relacionados a bandas e artistas britânicos guiado pelo Rafael, engloba diversos locais mostrados no vídeo. Saiba mais sobre o passeio, clicando aqui.

York e suas delícias

Tenho uma teoria que, ao visitar uma cidade pela primeira vez, tiramos em pensamento uma foto instantânea daquele local. Se nunca voltarmos, este snapshot será a lembrança que teremos, que de alguma forma representará o que mais nos marcou naquela estadia. À medida que conhecemos melhor o lugar, se voltarmos, ou se permanecermos por um tempo maior, vamos tirando outros instantâneos, até que teremos em nossa memória uma visão panorâmica do lugar.

York - rua com a Catedral

É claro que este snapshot representa muito mais nossa experiência como um todo e não necessariamente uma paisagem específica. Tudo influencia: se o dia estava lindo, ou se chovia miseravelmente; se a companhia era boa, ou se foi uma peleja; se estávamos com dor de cabeça, ou felizes da vida; se conhecemos gente simpática, ou só trombamos com “mala”… Definitivamente, sinto que a impressão que tenho de uma cidade na maioria das vezes tem menos a ver com a cidade em si, mas com toda a experiência que tive ao passear por suas ruas.

York - pessoas

Pois bem, a foto instantânea que tenho de York é de uma cidade radiante, com milhares de pessoas nas ruas e muita, muita festa. Isso se deu, obviamente, porque chegamos na cidade em um sábado de verão, com direito a muito sol e calor. E antes de apreciar toda a beleza da cidade, foi o movimento e a quantidade de pessoas nas ruas que mais me chamaram a atenção. Parece que havia celebrações por todos os lados: despedidas de solteiro e de solteira, casamentos, aniversários, confraternizações, por onde passamos havia um grupo animado comemorando alguma coisa!

York Minster

Mas além das comemorações, York é uma cidade linda, com uma história riquíssima que abrange mais de 2000 anos. Os romanos deixaram muralhas que circundam o que é hoje o centro histórico da cidade: uma área muito bem preservada com ruas que guardam o mesmo traçado da era medieval.

York Minster - detalhe

A catedral, conhecida como York Minster, é a “maior catedral gótica do norte da Inglaterra” tendo sido consagrada no ano de 1472, 250 depois da data do início da sua construção. Os vitrais são lindíssimos e juntos formam a maior concentração de vitrais medievais da Grã-Bretanha. Você pode subir até a torre principal para apreciar a vista da cidade, mas como sou um pouco claustrofóbica e os corredores chegam a ser bem estreitos e baixos, fui aconselhada a não subir. Ufa, são 275 degraus!

York Minster - vitral

O Centro de Informações da cidade fica na Museum St., rua da ponte que liga a estação ferroviária à Catedral (Lendal Bridge). Lá você pode adquirir mapas, guias, ingressos para atrações e passeios, além de obter sugestões de como aproveitar melhor seu tempo na cidade. O website oficial de turismo, VisitYork, também é muito informativo e uma mão na roda para planejar sua visita.

York - The Shambles

Saindo do Centro de Informações, fomos andando até a rua mais famosa da cidade, chamada The Shambles. É uma rua de comércio da época medieval que foi muito bem preservada. As lojas tradicionalmente vendiam carne e, para preservar o produto, a rua foi construída de forma muito estreita para que a carne, disposta em vitrines abertas, fosse mantida longe do sol. Além disso, as fachadas são inclinadas de forma que as de um lado da rua quase se encontram com as do outro lado, dando a impressão que as casas vão se beijar!  Atualmente, as lojas abrigam boutiques e lojas independentes, assim como charmosos cafés.

York - The Shambles placa

Além dos romanos e saxões, York foi invadida pelos Vikings que estabeleceram no local uma colônia, por volta do final do século X. Hoje, exatamente onde foram feitas descobertas arqueológicas importantes desta colonização, funciona uma mistura de museu com atração turística, o Yorvik Viking Centre, que leva o visitante a uma verdadeira viagem no tempo. Além de conhecer o interessante museu com peças originais encontradas no sítio arqueológico, que contam um pouco sobre a vida dos invasores, embarcamos em uma cápsula que nos leva por uma reconstrução de partes da cidade chamada pelos Vikings de Yorvik.

York - Yorvik Centre

Há mais de 3 km de muralhas romanas preservadas na cidade e um dos programas “obrigatórios” é justamente andar nestas muralhas. 45 torres e cinco portões, um deles de construção bem mais recente (do século XIX), completam a construção.

York - muralha

Já de volta à era medieval, a Clifford’s Tower é simbolo do poder dos reis da Inglaterra. Construída originalmente como uma fortaleza por William, o Conquistador (o mesmo que construiu a Torre de Londres) para subjugar os rebeldes do norte do país, foi queimada duas vezes antes de ser reconstruída no século XII.

York - Clifford's Tower

Da muralha da torre, é possível apreciar a linda cidade, especialmente em um dia claro como o que tivemos a sorte de ter.

York - Clifford's Tower interior

York - Clifford's Tower - vista da catedral

Terminamos o dia fazendo um passeio de barco pelo rio que corta a cidade, o rio Ouse. O passeio começa perto da Lendal Bridge e dura cerca de 1 hora, em um circuito que vai além das fronteiras da cidade. O capitão faz comentários ao vivo, contando um pouco da história e das curiosidades de York. Neste rio também iríamos ver, já no dia seguinte, uma divertida competição de remo com fins beneficentes.

York -Rio Ouse

Para o programa noturno, optamos por ir a um dos vários pubs históricos da cidade, o The Golden Fleece. O prédio é antiquíssimo e abriga a estalagem mais antiga de York, datando de no mínimo 1503. É interessante que as paredes não são muito retas e o piso também é meio torto, dando a impressão que você bebeu mais que deveria!

Para nossa sorte, havia uma banda acústica tocando sucessos dos anos passados e nós nos acabamos de dançar neste chão a prova dos séculos. E obviamente, na cidade que para mim é a das festas, havia, entre os vários frequentadores, um grupo de uns 20 professores celebrando o final do período letivo com muito vinho e cerveja.

York - Golden Fleece

O órgão oficial de turismo nos ofereceu o YorkPass, que pode ser bem interessante para quem quiser visitar as principais atrações da cidade. Adquirindo o passe, você tem direito a visitar mais de 30 atrações, além de receber um guia turístico com mapas e informações e diversos vouchers de descontos.

No próximo post, relato nosso programa de domingo, que incluiu a visita ao National Railway Museum e um passeio delicioso por uma cervejaria. Lá também serão fornecidas informações sobre como chegar a York a partir de Londres e sobre o hotel em que nos hospedamos.

Leia também:

Visita a Stonehenge

Visita a Bath

Viagem a Liverpool