Viagem a Liverpool

Para quem é fã dos Beatles, Liverpool dispensa apresentação: foi lá que tudo começou e ponto. Isso já é motivo mais do que suficiente para uma ida – ou seria peregrinação? – a esta cidade do noroeste da Inglaterra. Para quem não se importa tanto assim com os Fab4, no entanto, Liverpool pode não ser uma escolha óbvia, já que não tem o charme das pequenas vilas do interior, nem a beleza e a tradição das grandes cidades e capitais.

Viagem a Liverpool - Beatles

Nós, sinceramente, fomos pensando por um lado em visitar os locais relacionados aos Beatles e, por outro, visitar o estádio de Anfield Road, sede do Liverpool F.C., time do coração do Steve. Mas já quando estávamos planejando quantos dias ficar e o que fazer na cidade, comecei a me surpreender com o potencial da cidade e vi que um simples bate-volta a partir de Londres não seria suficiente para tudo que queríamos visitar. Sendo assim, optamos por passar duas noites na cidade e não nos arrependemos!

Viagem a Liverpool - Anfield Road

Descobrimos que Liverpool é uma cidade moderna, cosmopolita, limpa e organizada, com excelentes museus, duas catedrais muito interessantes, restaurantes para todos os gostos, um centro da cidade revitalizado, que inclui o shopping center a céu aberto Liverpool One,  a margem do rio Mersey com a antiga zona portuária, hoje transformada no lindo Albert Dock e uma vida noturna animada, que inclui o famoso Cavern Club. 

Viagem a Liverpool - Cavern Club

Outra boa surpresa que tivemos foram os preços – de hospedagem, alimentação, transporte, bebidas, enfim de quase tudo… Para quem está acostumado com os preços exorbitantes de Londres, Liverpool é quase uma pechincha! Quando pagamos 4 libras de táxi para nos levar da estação de trem ao hotel, fiquei quase com pena do motorista. Em Londres tínhamos pago 13 libras para chegarmos à estação e a distância não me pareceu assim tão diferente.

Viagem a Liverpool - Riverfront

Agora tenho que confessar que nem tudo são flores em Liverpool. Se você acha que sabe bem inglês e que entende tudo do inglês britânico, você terá de repensar sua capacidade. Assim como em Londres temos o Cockney (que caracteriza o londrino “da gema”), em Liverpool temos os Scousers. O falar destes verdadeiros cidadãos de Liverpool, a chamada pronúncia Scouse, é muito característico e como é difícil de entender! Mas, para nossa sorte, a cidade também recebe gente de todos os lados do Reino Unido e de outros países, então, no final das contas, todo mundo se entende.

Viagem a Liverpool - livros

Faremos uma pequena série de posts sobre o que fizemos em Liverpool nos três dias que por lá passeamos. O objetivo é apresentar a cidade que muitos brasileiros desejam conhecer devido aos Beatles, mas que tem muito mais a oferecer. Neste primeiro post, reunimos as informações sobre como ir de Londres a Liverpool.

Como ir de Londres a Liverpool

A Virgin Trains faz o percurso em um trem rápido e confortável ligando a estação Euston, bem no centro de Londres, à estação Liverpool Lime Street, também no centro de Liverpool. A viagem direta (sem baldeação) leva 2 horas e 15 minutos. Em 2014, de segunda a sábado, há um trem no sentido Londres-Liverpool às 5h26 da manhã e depois um por hora entre 07h07 e 21h07, além de trens às 16h33, 17h33 e 18h33. Já no sentido Liverpool-Londres, há um trem às 5h27, 06h05, 07h00, e depois um por hora entre 7h47 e 20h48. Veja a tabela de horários completa aqui.

 

Viagem a Liverpool - trem Virgin

O preço da passagem varia e sempre é mais barato se comprado com antecedência. Há três tipos de passagem:

Advance” – passagem não reembolsável, válida somente para a viagem (data e horário) para a qual foi adquirida. Preço a partir de  £12,50 (por trecho), deve ser comprada com antecedência mínima de um dia, sujeita à disponibilidade. Para conseguir este preço de £12,50 para os trens que saem de Londres de manhã cedo é preciso comprar com muita antecedência.

Off-peak” – passagem mais flexível, válida para qualquer horário desde que “fora de pico” (normalmente depois de 10h00). Preço a partir de £39,85 (por trecho).

Anytime” – passagem super-flexível, válida para qualquer horário. Preço  £150,50 (por trecho).

As passagens podem ser adquiridas online, no site da própria Virgin Trains, sem qualquer taxa extra. Você recebe a passagem definitiva por e-mail e deve imprimi-la antes de chegar na estação. Com esta passagem em mãos, é só embarcar.

A National Express faz o percurso de ônibus (coach) a partir da estação de Victoria e é uma opção mais barata que o trem (a partir de  £10,00 por trecho), mas bem mais demorada. A viagem direta leva em torno de 5 horas.

Viagem a Liverpool - passagem

E você que já foi a Liverpool, queremos saber suas dicas! A caixa de comentários está aberta.

Nossa viagem teve o apoio do órgão de turismo Visit Liverpool, que nos convidou para conhecer diversas atrações da cidade, como membros da imprensa. As passagens, a hospedagem, o transporte e todas as outras despesas foram pagas por nós. 

A City of London

O que conhecemos por Londres é na verdade uma região administrativa que reúne 32 bairros (boroughs) e um distrito que ocupa o centro da cidade, denominado City of London. A City of London, com apenas 1 milha quadrada – e por isso também chamada Square Mile -, goza de um status único e tem seu próprio prefeito (o Lord Mayor of London), sua prefeitura, sua bandeira, seu brasão, sua polícia e até suas próprias leis.

A City, como é conhecida esta pequena região, é o centro financeiro do Reino Unido e, apesar de ter poucos moradores, cerca de 400 mil pessoas lá trabalham diariamente, principalmente em bancos,  empresas de seguro, bolsa de valores e de mercadoria, além de escritórios de advocacia. Ela compreende este pontinho vermelho no centro do mapa de Londres:

mapa city

O motivo de a City ter este status diferente é que foi nesta área da margem norte do Tâmisa, em meados do século I d.C., que os romanos estabeleceram o entreposto comercial a que chamaram Londinium e que viria a se tornar a grande Londres. Os habitantes da área, ao longo dos séculos seguintes, se organizaram politica e financeiramente e formaram uma cidade que na verdade é anterior ao próprio reino da Inglaterra.

A city of London - Mapa das ruas

Com um enorme poder financeiro, já que a City of London é proprietária de imóveis, terrenos – até a Tower Bridge pertence à City! – e uma tradição que remonta à idade média, os governantes da Grande Londres e mesmo os reis da Inglaterra já tentaram muitas vezes tomar os privilégios da City, sempre sem sucesso.

O que mais nos chama atenção é que, neste pequeno trecho da cidade, convivem o que há de mais antigo em Londres, como alguns trechos do muro que circundava Londinium e um anfiteatro que também remonta à época romana, com os arranha-céus mais modernos, entre eles o the Gherkin (o famoso prédio em forma de pepino do arquiteto Norman Foster) e os mais recentes Cheese-Grater e Walkie-Talkie.

A City of London - arranha-céus

As duas construções mais famosas da City, no entanto, datam da idade média: a Torre de Londres no extremo leste, cuja construção se iniciou no reinado de William o Conquistador (1066-1087) e a Catedral de São Paulo, que apesar de ter sido reconstruída após o Grande Incêndio de 1666, ocupa o mesmo local há mais de mil e quatrocentos anos. Obra prima do arquiteto Christopher Wren, a St. Paul’s Cathedral foi o palco do casamento da então Lady Diana com o Príncipe Charles.

A City of London - St. Paul's Cathedral

Há muito que ver na City of London, e os destaques, além dos já citados, são o fantástico Museu de Londres, o museu do Bank of England, os mercados de Leadenhall e Spitalfields e o monumento ao grande incêndio de Londres, The Monument.

Para compras, sugerimos o novo shopping centre, One New Change, com três andares de lojas e restaurantes e uma cobertura com vistas maravilhosas da St. Paul’s Cathedral. Aliás, parece que o arquiteto planejou o shopping centre de forma que emoldurasse a St. Paul’s Cathedral e de onde quer que você olhe, a catedral se reflete nos vidros do edifício.

A City of London - One New Change

Já para artes, teatro, dança e música, a City conta com o Barbican Centre, um complexo de teatros, sala de concerto, cinemas e galeria de arte que é sede da London Symphony Orchestra e tem uma programação variadíssima. Ao lado do Guildhall, a sede da prefeitura da City, se encontra também a Guildhall Art Gallery, que além de abrigar a coleção de arte pertencente à City of London, também exibe, em seu subsolo, as ruínas do anfiteatro romano construído há quase 2000 anos.

A City of London - Guildhall Art Gallery

Para planejar sua visita à City of London, você pode baixar um aplicativo gratuito (em inglês) para iPhone ou Android com mapas, trilhas, e diversas informações sobre os locais. Ou fazer uma visitinha ao centro de informações turísticas da City, localizado em frente à face sul da Catedral de São Paulo.

A City of London - Centro de Informações Turísticas

Andar pela City é uma experiência fascinante, que nos faz lembrar em todo canto que esta cidade já se reergueu, com cada vez mais força, depois de ser quase devastada por diversas guerras, pela praga que dizimou tantas vidas, por incêndios e por várias crises financeiras. Não é qualquer cidade do mundo que teve a mesma sorte!