Estudar inglês em Londres

Muita gente me pede indicações de escolas de inglês e/ou intercâmbio, além de dicas em geral para estudar inglês em Londres e, por ser um assunto complexo e que exige muita pesquisa, eu normalmente não consigo ajudar. Quando a Ariane, que já contribuiu com alguns posts aqui no site, me contou sobre o trabalho de assessoria a estudantes que presta em Londres, pedi a ela que explicasse também para nossos leitores. Sendo assim, é com muito prazer que apresento a história da Ariane, que tenho certeza poderá ajudar a quem está com muitas dúvidas sobre onde estudar, onde morar, como obter o visto, e tantas outras questões.

***

Não consigo lembrar exatamente quando ou por que começou, mas era de muito tempo a vontade que eu sentia de estudar inglês fora do Brasil. Um dia decidi sentar e calcular quanto eu gastaria fazendo um bom curso de inglês no Brasil durante um ano e que nível de aprendizado eu poderia alcançar. Depois eu comparei (usando informações de amigos e blogs) quanto eu gastaria para alcançar o nível equivalente de inglês passando um tempo estudando num país de língua inglesa. Fiquei surpresa com o resultado e decidi que realmente estudaria inglês fora do Brasil! Isso tudo sem contar a oportunidade de vivenciar outra cultura e, claro, de viajar.

Estudar inglês em Londres - sala de aula

Depois da decisão tomada passei muito tempo pesquisando por melhores cidades, boas escolas, melhor época do ano para ir e quanto dinheiro precisava. Londres sempre esteve no topo da minha lista e, com uma ajudinha da vida, se tornou minha escolhida.

Contrariando muitos conselhos e após fazer uma intensa pesquisa com agências de intercâmbio, decidi que eu mesma iria fazer todo o processo sozinha: escolher a escola, fazer a matricula, cuidar do pagamento do curso, comprar as passagens e cuidar da documentação necessária para conseguir o visto. Com certeza, depois de colocar todos os custos na ponta do lápis, percebi que estaria fazendo uma grande economia.

keep calm

 

Já que o meu destino estava definido, chegava a hora de escolher a melhor escola. Durante as semanas que dediquei nesse processo percebi que existiam muitas opções de cursos: inglês geral, inglês para negócios, para professores, específico para quem pretende obter certificação como IIELTS ou Cambridge. Sem falar na carga horária semanal que varia normalmente de 15 a 40 horas semanais. Além dos diferentes cursos existem escolas que oferecem atividades extras, como por exemplo atividades culturais, passeios, festas, esportes e muito mais. O preço também varia muito de acordo com a escola e com o horário que você escolhe para estudar.

Com a mudança que o governo Britânico fez nos últimos anos em relação a regulamentação das escolas de idioma, fiz alguns contatos com a embaixada do Reino Unido no Brasil para esclarecer algumas dúvidas em relação a qual visto eu poderia obter (pois varia de acordo com o tempo que você pretende passar estudando) e sobre as escolas certificadas pelo governo. Quando você decide estudar inglês no Reino Unido você precisa conhecer as escolas que são certificadas pelo British Council, pois só uma escola certificada pode te fornecer um comprovante válido e aceito pela imigração no momento da chegada ao país. É esse documento que garante que você é um estudande. Também fui informada que o nível de seu inglês também influência o tipo de visto que você pode solicitar.

Estudar inglês em Londres - sala de aula 1

Comparei preços, conheci as escolas certificadas e decidi meu curso específico. Chegava a hora de pensar na minha acomodacão: onde eu iria morar em Londres? Assim como as opções de escolas são diversas, as opções de moradia também são. Você pode alugar um quarto direto com a escola que você escolheu. Em geral as escolas ou possuem casas para seus estudantes ou trabalham com empresas que gerenciam casas para estudantes. Outra opção é alugar um quarto direto com uma empresa especializada. Depois que cheguei aqui fui conhecendo as histórias dos meus colegas e percebi que é preciso ter muito cuidado nessa escolha. Existem muitas empresas sérias e confiáveis mas também existem empresas que nem sempre prestam todo o auxilio ao aluno. Normalmente as empresas com bom atendimento verificam semanalmente suas casas para ver se tudo está em ordem e se as regras estão sendo cumpridas.

Durante o meu processo também descobri que a localização da escola e da sua casa são muito relevantes. Além do tempo de deslocamento eu precisava conhecer a zona da cidade em que elas estavam localizadas, pois o valor que eu pagaria no transporte público varia de acordo com a zonas que eu preciso transitar. Então, se eu fosse morar, por exemplo, na zona 4 e estudar na zona 1, eu iria pagar muito mais pelo transporte do que se eu fosse morar na zona 2.

Estudar inglês em Londres - classe

Há mais de um ano atrás escolhi minha escola, minha casa, comprei minha passagem e coloquei numa pasta todos os documentos possíveis que comprovassem minha condição financeira e que eu era estudante. Aterrizei em Londres, recebi meu visto e fui estudar! Hoje tenho muita certeza que tomei a decisão certa quando escolhi Londres e quando escolhi dedicar algumas semanas da minha vida pesquisando e preparando a minha viagem e a minha aprendizagem.

Texto e fotos: Ariane Zabaleta

***

Se você também tem vontade de estudar inglês em Londres, mas tem muitas dúvidas ou precisa de ajuda para planejar sua viagem, conheça a proposta de trabalho da Ariane, enviando um email para arianezabaleta@outlook.com. Ela pode te ajudar a escolher qual a melhor escola, a melhor época do ano, onde se hospedar, além de  ajudar com outras dicas super importantes para estudantes.

 

Museu Imperial da Guerra

Fundado em 1917, ainda durantes os conflitos da primeira grande guerra, o Museu Imperial da Guerra foi criado para colecionar e exibir objetos que registrassem as experiências de quem viveu a guerra, tantos os que foram lutar no front, como os que ficaram na Inglaterra como civis.  No decorrer do século XX, com o envolvimento do Reino Unido em outros conflitos, entre eles a II Guerra Mundial, o Museu se redefiniu e hoje inclui todas as guerras e conflitos em que as forças armadas do Reino Unido lutaram desde 1914.

 

Museu Imperial da Guerra

Depois de uma extensa reforma, o Museu foi reinaugurado em julho de 2014, por ocasião do centenário da entrada do Reino Unido na I Guerra Mundial. Entre os destaques do novo museu estão as Galerias da I Guerra Mundial, que contam a história da I Guerra através das vidas daqueles que dela participaram: os motivos que levaram à guerra, como ela se desenvolveu e o impacto global causado.

Museu Imperial da Guerra - Galerias da I Guerra Mundial

Nossa visita ao Museu Imperial da Guerra

A exposição é realmente impressionante e baseada nas experiências dos que foram afetados pela Guerra (o acervo do museu inclui cartas, cartazes, filmes, depoimentos, e outros documentos primários) que se transformaram em experiências para nós visitantes: vídeos, efeitos sonoros, jogos interativos, tudo para que você possa imaginar os horrores da guerra através dos olhos dessas pessoas.

Achei especialmente interessante a parte que trata do “Home Front”, ou seja, apesar de não ter havido batalhas em solo britânico,  a vida na Inglaterra foi afetada pelo conflito de diversas formas, especialmente a vida das mulheres, que foram obrigadas a trabalhar nas fábricas, nos hospitais e em diversas outras posições, de forma a abastecer com munição, alimentos, roupas, aqueles que estavam no front das batalhas.

Museu Imperial da Guerra - Átrio Principal

O átrio central do museu exibe as grandes peças: aviões de guerra, tanques, mísseis, barcos e outras máquinas representantes de diversas guerras do século XX voam dependurados no teto, ou estão colocados em pequenas “varandas” nas laterais. No primeiro andar, o foco é na II Guerra Mundial e, no terceiro, na Guerra Fria e nos conflitos posteriores.

Museu Imperial da Guerra - Átrio

Esta parte, no entanto, não é bem contextualizada e por isso achamos bastante confuso: uma motocicleta do Taliban ao lado do que nos dizem ser uma janela retorcida pela chama do World Trade Center, partes do muro de Berlim, o modelo de um corpo carborizado pela bomba atômica… As placas com informações são colocadas longe das peças o que não contribui para o entendimento.

Ainda no museu, visitamos duas outras exposições permanentes, uma sobre os horrores do Holocausto na II Guerra Mundial e uma chamada Extraordinary Heroes, que celebra os atos heroicos daqueles que receberam a Victoria Cross, a mais alta condecoração concedida pelo exército britânico.

Museu Imperial da Guerra - Victoria Cross

Informações úteis

Imperial War Museum London

Horário de funcionamento: diariamente de 10h00 às 18h00

Fechado nos dias 24, 25 e 26 de dezembro

Entrada gratuita

Endereço: Lambeth Road, London, SE1 6HZ

Estação de metrô mais próxima: Lambeth North